quinta-feira, 6 de agosto de 2009

FLORBELA ESPANCA




FLOBELA ESPANCA

         UMA " FLOR BELA" ALENTEJANA     



Nasceu no Alentejo em VilaViçosa a 8/12/1894.

Filha ilegítima de uma " criada de servir",falecida muito nova, foi registada como filha de pai incógnito, apesar de ter sido educada pelo pai e pela madrasta. O pai embora a tenha acompanhado sempre, só 19 anos após a sua morte a perfilhou, por altura da inauguração do seu busto em Évora.

Estudou em Évora onde concluiu o curso dos liceus em 1917.Mais tarde frequentou a faculdade de direito de Lisboa.
Juntamente com Irene Lisboa foi a precursora o movimento de emancipação da mulher.
Os seus 3 casamentos falhados, e a morte de seu irmão marcaram profundamente a sua vida e a sua obra.



Em Dezembro de 1930 morre em Matosinhos, com problemas sobretudo de ordem psicológica. O seu suicídio foi socialmente manipulado e, oficialmente,apresentada como causa da morte um «edema pulmonar».
A sua poesia é de uma intensidade lírica e profundo erotismo.
Escreveu os seus versos com uma perturbação ardente,revelando um erotismo feminino transcendido, pondo a nu a intimidade da mulher.
A paisagem da charneca alentejana está patente em muitas das suas imagens e poemas.
Só depois da sua morte é que a poeta viria a ser conhecida do grande público.

Eu quero amar,
amar perdidamente!
Amar só por amar: aqui....além...
Mais Este Aquele,
o Outro e toda a gente....
Amar ! Amar !
E nã
o amar ninguém


                        







terça-feira, 4 de agosto de 2009

VIOLA CAMPANIÇA











                                       VIOLA CAMPANIÇA 


Também designada por viola Alentejana, era o instrumento musical usado para acompanhar os célebres cantares à desgarrada, ou " cantes a despique" que se ouviam com grande animação em todas as festas e feiras do Alentejo.


Viola Campaniça foi um nome dado pelas pessoas de Beja, mas em termos jocosos, pela maneira tosca(com cordas de arame), como eram feitas.
Nos anos 50 e anteriores os cantares à desgarrada acompanhados à viola, faziam a animação obrigatória de qualquer lugar onde houvesse festa.

                                                                                                                                                    

Eram famosos os cantares onde o tio Manel da Vaca Gorda, Norberto Gateira, Zéfinha de Portel, tio Manel Bento e o tio Álvaro Pedro da Aldeia dos Fernandes, entravam a despique.
Eles eram portadores das novidades de várias terras, que em quadras alegres e brincalhonas cantavam para numerosas pessoas.
O tio Manel da Vaca Gorda foi a figura que mais recordo, talvez pela razão de a estação de Panóias ser um ponto de passagem quase obrigatória para ele.
Belas caracoladas comi em criança, com os caracóis que ele apanhava.
O livro de José Alberto Sardinha e a vasta divulgação dada pela Rádio Castrense, evitou que a Viola Campaniça, caminhasse para a sua extinção.



A viola campaniça é um dos vários tipos de cordofones tradicionais portugueses, típico da região campaniça alentejana, o Campo Branco do Baixo Alentejo. É um cordofone com 10 cordas(cinco ordens de cordas duplas), de enfranque muito pronunciado, e que se crê que tenha evoluido a partir da " vihuela de mano medieval".

Como particularidade deve-se referir o facto de, apesar de ser um instrumento de 10 cordas, possuir doze afinadores, ou tarrachas, e da ponta, ou cavalete, estar também preparada para as doze cordas, o que indica que o instrumento foi outrora dotado de uma sexta ordem de cordas duplas(como a viola francesa) mas que estas terão caído em desuso( aliás, o mesmo tem acontecido mais recentemente com a quinta ordem de cordas.) (elementos tirados da Internete)



                        ------------------------------------------------------------------------






sábado, 1 de agosto de 2009

ALCUNHAS


                                       " ALCUNHAS "


"A VOZ DO POVO TEM FORÇA E PERMANECE AO LONGO DO TEMPOS...

Fiz um "apanhado" de algumas alcunhas, a que achei bastante graça

COÇA NAS VIRILHAS-o alcunhado apanhou sarna e as mulheres puseram-lhe esse nome


COLCHÃO DAS CIGANAS-sujeito que é gordo e que assedia jovens de etnia cigana


JABURU-homem que anda muito bem disposto


JÁ LÁ VAI-taberneiro que sempre que lhe perguntam algo, responde:já lá vai


LADRAVONA-pessoa gorda que prima pela falta de higiene


MATA MULAS-aplicado a um homem
 que matou uma mula


LAMBÃO-homem que come muito


MIS FITINHA
- mulher magra e vaidosa


FARSOLO- tem os olhos tortos e usa óculos


CAVALO CIGANO-sujeito que se agita muito ao andar


CAGA TOSSE-
o que tosse e deita gases ao mesmo tempo


COCA-
o que gosta
 muito de ficar em casa e que é pouco dado ao convívio


ACHIGÃ-o que tem o nariz achatado e gosta de pesca


BURRICO-
individuo com o
raciocínio lento


CAGA LIBRAS-gaba-se constantemente que tem muito dinheiro


CARRONHA-homem carrancudo


CICLONE-homem que anda muito de pressa


COME E DORME- o que não gosta de trabalhar


ESTAROLA- individuo
considerado tonto


MATA BURROS-rapaz com a mania que tem músculos


PÁXÁ
- rapaz fino


ZÉ DA HORTA-rapazque gosta de cavar


CU DE LOBO-pessoa que tem o
cu encolhido


CU DE RÃ- pessoa gorda com cu grande


ALDRAGAIO-pessoa que zé metade de aldrabão e metade de papagaio.


ABESOIRO-pessoa que fala muito


ABUSAMENTO-Abuso


ABRONCADO- Individuo de modos grosseiros


ABORRIDO-Triste, melancólico


AFALCOADO-individuo que está e más condições financeiras


ALCOFINHA-Individuo alcoviteiro


CAGUINCHAS- pessoa queixinhas